Arquivo da tag: Clone

Mosca Branca do dia: Dynalogic Hyperion

O curador do site vintagecomputing.ca resolveu sambar na cara da sociedade, botar pra rodar uma versão customizada (e completinha com os manuais) do Lotus 1-2-3 no seu Dynalogic Hyperion lindão lindão zero bala e postar no Twitter.

Ahn? Dáina o que hiper o que?

Micro baseado em Intel 8086 — e não 8088, ou seja, 16 bits raiz. Saiu em 1983, dois meses antes do Compaq Portable. Só que… não era 100% compatível a nível de hardware com o IBM PC (daí a necessidade de versões customizadas dos softwares mais populares). E a qualidade dos drives de 5″¼ deixava a desejar. Ficou menos de dois anos no mercado.

Em algum lugar  no Multiverso, a Era dos Clones começou no Canadá em vez do Texas.

Mais informações sobre o micrinho (para certas definições de “inho”, já que pesava mais de 8 kg) você pode encontrar aqui:

https://www.old-computers.com/museum/computer.asp?st=1&c=339

https://en.wikipedia.org/wiki/Hyperion_(computer)

Repórter Retro 080

Este é o Repórter Retro 080, produzido pela A.R.N.O. (Agência Retropolitana de Notícias)!

(MP3 para ouvir offline)

Do que falamos?
Trilha sonora

Random Chiptune Mix 41

Antes de sair…

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo de Retrópolis, em muitos lugares: Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts. Ou então, se você é dazantiga que nem a gente, pode baixar o MP3 deste episódio clicando neste link para escutar mais tarde.

Além disso, não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

A. Baffa, o Caso. (Ou: Picaretation In Seattle)

Nossa história começa quando este humilde escriba tem um pensamento aleatório: “Poxa, faz um tempão que eu não abro o Hackaday. Vou ver se pintou alguma coisa retro por lá”. Começo a olhar o blog e logo acho, postado nos últimos dias, um camarada que recriou o ZX81 numa placa nova, com direito a construir um teclado de membrana do zero. Maneiro.

E ora vejam vocẽs: o camarada é brasileiro! Carioca! Nome: Augusto Baffa. E o micro recriado, como já era de se imaginar, não foi exatamente um ZX81, mas um dos clones pizzaiolos tupiniquins, o TK82C. Que foi o Micro Formador do molequim Augusto, lá pelos idos de 1990. (O micro já era obsoleto e foi cedido pelo pai como ferramenta de aprendizado. Pelo visto, deu certo.)

Papo vai, papo vem, eis que a gente marca de almoçar e o sr. Baffa é agora o feliz proprietário de um clone altamente mosca-branca de Sinclair: o MicroAce. Clone não de ZX81, mas do anterior, o pai de todos: o ZX80.

Os picaretas fabricantes do MicroAce tiveram uma ideia de “jênio”: inverteram duas das vias de dados que levam do microprocessador para o chip de ROM que tem o BASIC descaradamente copiado da Sinclair. Assim, teoricamente, as ROMs seriam diferentes e os advogados de Sir Clive não notariam. Funcionou tão bem quanto vocês devem estar imaginando.

Rapidamente a MicroAce botou o galho dentro, pagou uma soma não revelada de Reagans (ou Thatchers) à Sinclair, e passou a vender uma versão revisada sem a picaretagem e com a ROM licenciada. Mas esse exemplar aí da foto é “Issue 1”, com a picaretagem. O Augusto fez um dump da ROM, e eu fiz um programinha em C para desfazer a inversão de bits. Clicando neste link você pode baixar o fonte e a ROM picareta. (A original da Sinclair, pra comparar… você acha por aí. Não queremos a visita do personagem aí em cima.) Resultado: a ROM do MicroAce só difere da da Sinclair em UM mísero byte: eles resolveram formatar as mensagens de erro com o caractere “:” em vez de “/”.

O fato de que essa mudança de byte significa isso pode ser verificado olhando a listagem da ROM do ZX80 – rotina MAIN-5, label L04A8.

No momento em que escrevo, o Augusto está interrogando o meliante fuçando com o micro e em breve esperamos que o elemento confesse ele volte a funcionar em toda sua glória de falsiane ianque.

MicroAce, por cima MicroAce, por baixo

E antes que eu me esqueça, o TK82C redivivo não é a única coisa interessante que o Augusto botou no Hackaday.

Adendo: este post tem continuação.

Repórter Retro 075

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos à edição 075 do Repórter Retro.

Links do podcast

Música de fundo

Random chiptune mix 52

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Repórter Retro 071

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos à edição 071 do Repórter Retro.

Links do podcast

Música de fundo

Random Chiptune Mix 51

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 98 – Classic Macintosh – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Bem-vindos ao episódio 98 do Retrocomputaria.

Sobre o episódio

Falamos de Apple. Falamos de Macintosh. Falamos de Apple Macintosh. Mas só se tiver 68K; se tiver PowerPC ou Intel, é em outro podcast.

Nesta parte do episódio

Continuamos no desktop publishing para poder passar pra frente: as máquinas sucessoras do Mac clássico, os clones (e sim, tem promessa!), o que a gente não conseguiu colocar em outros pontos da pauta e o legado.

Links do podcast

Música de fundo

Tem o chime clássico de Mac e mais umas músicas aí.

Outras formas de ouvir

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Imagem do dia: O Computador do Queiroz (1983)

Postado pelo Paulo Alves no grupo Retrocomputers do Face. Clonezinho bastante honesto (ao contrário do que o nome poderia sugerir) vindo da China. (ou Taiwan? As informações são desencontradas.) Como diferencial, o teclado numérico, que nos originais só apareceria no IIe Platinum de 1987, e… letras minúsculas.

Mosca Branca do dia: O Primeiro, Último e Único Laptop Soviético

…ou pelo menos é o que andam dizendo por aí de acordo com a Mãe dos Burros.

MS 1504, de 1991, clone do Toshiba 1100. Fotos de Sergey Khramov‎, confiscadas do Fêissi em nome da Revolução.


Acabou não, peraí que tem mais: Continue lendo Mosca Branca do dia: O Primeiro, Último e Único Laptop Soviético

Patentes na Apple

O canal Apple VHS Archive tem feito o trabalho de digitalização de diversos vídeos internos lá da empresa de Cupertino. Entre eles, este interessante vídeo institucional sobre a importância da criação e o devido registro de patentes pela empresa.

De brinde Bob Martin, advogado de patentes da Apple, a literalmente jogando clones de Apple II no chão!

( A2Central )

Montando um clone do ZX-Spectrum 48.

Justiça seja feita, a Microdigital foi a primeira empresa que conseguiu copiar clonar as ULA dos Spectrum, e foi um feito relatado pelo autor na façanha, Cláudio Cassens, no episódio 73 do nosso podcast. Mas depois abriu-se a porteira, e o chipão foi virado do avesso, reimplementado em CPLD, xerocado, entre outras coisas.

Pois então, no blog do Sergey, tem uma série de posts mostrando como montar um clone do ZX-Spectrum 48, no caso o Harlequin (que é um kit vendido na Byte Delight, com chips que substituem a ULA). Na verdade são dois posts, um aqui e o outro aqui. Vale a olhada.

Fonte: Vintage Is The New Old.