Documentário da Sierra: agora vai! (Tomara!)

Poderíamos tecer prosopopeias mil sobre esta mui alvissareira notícia, mas é nosso parecer que a missiva de Sua Excelência, o Homem, o Mito, a Lenda Ken Williams é autossuficiente. Portanto, sem mais delongas — exceto chamarmos atenção para o fato de tratar-se de um financiamento coletivo — traduzi-la-emos:

*             *             *
Continue lendo Documentário da Sierra: agora vai! (Tomara!)

Domingo dos vídeos: RetroRio 2019 – entrevista com Mário Trotta.

Continuando nossos domingos com vídeos, segue a publicação de um vídeo da RetroRio 2019. Sim, nela tivemos uma entrevista, com Mario Trotta. O Mario é MSXzeiro, ex-funcionário da Racimec, e nos falou sobre o projeto da empresa de fabricar um MSX 2… E trouxe detalhes importantes a respeito da iniciativa que infelizmente, não se concretizou.
Continue lendo Domingo dos vídeos: RetroRio 2019 – entrevista com Mário Trotta.

A saga do Omega – missão secundária – 61a RUMSX.

Enquanto o último post da saga do Omega não vem (será um breve posfácio e ainda não foi concluído), fui ver as fotos da 61a RUMSX, de Barcelona, ocorrida em 3 de fevereiro de 2024. E qual não foi a minha surpresa ao encontrar 22 fotos de MSXs montados com base em projetos como o Omega Home Computer (que vocês acompanharam aqui) e outros, como o Terrible Fire MSX (TFMSX).

Logo, decidi não poluir o post com um monte de fotos e criei um álbum em separado. Todos os direitos das fotos são da AAMSX. Agora, se você quiser saber mais a respeito daquele que é talvez o encontro retrocomputacional mais antigo em atividade do mundo… Continue a leitura.

Continue lendo A saga do Omega – missão secundária – 61a RUMSX.

Sobre o Rio Grande do Sul, e como ajudar.

Arte de Gisele Daminelli (clique na imagem acima para acessar seu Instagram).

Como poucas vezes estamos vendo o Brasil tão unido como está agora, devido à catástrofe climática que se abateu sobre o Rio Grande do Sul. Discussões como FPGA é emulação ou não e qual é o melhor micro de 8 bits já criado foram deixadas de lado, para apoiar os gaúchos nesse momento em que estão nesse momento desesperador.

Então, muita gente ajuda do jeito que pode. Em particular, youtubers realizaram campanhas de arrecadação de fundos, e vários canais realizaram lives com o objetivo de levantar doações para apoiar o Rio Grande do Sul.

Mas… E nós?

Continue lendo Sobre o Rio Grande do Sul, e como ajudar.

Episódio 152 – A linha Commodore 264 – Parte B

Bem-vindos ao podcast Retrópolis! Apresentado pela Municipalidade de Retrópolis.

Esta é a Parte B do Episódio 152.

Sobre o episódio

Já falamos muito de Commodore neste Retrópolis, mas não havíamos falado da linha Commodore 264.

Bom, este episódio é para falar da linha Commodore 264. Preparem-se e protejam-se.

Continue lendo Episódio 152 – A linha Commodore 264 – Parte B

Mosca Branca do dia: MicroOffice RoadRunner

“Mãe, posso ter uma tela?”

“A gente tem tela em casa.”

Não foi deste jeito que o MicroOffice RoadRunner foi projetado… mas poderia ter sido. Apesar do formato “laptop” do gabinete, este bicho está mais para um concorrente do TRS-80 Model 100, lançado alguns meses antes. Com direito a editor de texto, planilha, Microsoft BASIC e modem para enviar os arquivos gerados, assim como o primo mais famoso. (Mas se eu fosse um jornalista em 1984 certamente preferiria o Model 100.)

Um dos nossos canais preferidos, o Tech Time Traveller, conseguiu um exemplar e nos mostra todos os detalhes. Os slots de cartucho funcionam como “drives de disco” do sistema operacional em ROM, que é um derivado do CP/M.

E nota mental: evitem FedEx.

Domingo (das mães) dos vídeos: VCF East 2024!


Sendo bem direto e reto: A última VCF da Costa Leste dos EUA ocorreu nos dias 12 e 14 de abril de 2024, no InfoAge Science and History Museum, em Nova Jersey. E segue aqui os links para alguns vídeos bem interessantes, além de uma playlist para você ver em sequência, sem parar.
Continue lendo Domingo (das mães) dos vídeos: VCF East 2024!

Um Amiga Dev faz arqueologia de si próprio

Petri Häkkinen, autor do jogo Bloodfest para Amiga, de 1995, resolveu fazer engenharia reversa no próprio jogo. Explica-se: ele não tem mais o código-fonte nem os arquivos das artes (imagens, sons e animações). Só a  ̶p̶i̶r̶a̶t̶a̶r̶i̶a̶ preservação digital garantiu que ao menos o jogo em si esteja disponível.

Nesta sequência de posts ele narra o processo de desvendar os obscuros formatos de empacotamento e codificação usados. E de quebra você, que conhece pouco de desenvolvimento em Amiga, fica sabendo de um poderoso ambiente de programação chamado AMOS.

Ganha um doce quem adivinhar em que jogo este aqui se inspirou.