Arquivo da tag: microprocessador

Repórter Retro 079

Este é o Repórter Retro 079, produzido pela A.R.N.O. (Agência Retropolitana de Notícias)!

(MP3 para ouvir offline)

Do que falamos?
Trilha sonora

Random Chiptune Mix 31

Antes de sair…

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo de Retrópolis, em muitos lugares: Spotify, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts. Ou então, se você é dazantiga que nem a gente, pode baixar o MP3 deste episódio clicando neste link para escutar mais tarde.

Além disso, não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Repórter Retro 077

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos à edição 077 do Repórter Retro.

Links do podcast

Música de fundo

Random chiptune mix 13

Ouvindo este episódio offline

Baixe o ZIP, descompacte e ouça com seu tocador de música preferido.

Onde este episódio (e todo o Retrocomputaria) está disponível

Os episódios do Repórter Retro estão, como todo o conteúdo do Retrocomputaria, em muitos lugares: Spotify, YouTube, Google Podcasts, Apple Podcasts, Deezer e, usando nosso feed RSS, qualquer programa para escutar podcasts.

Seu comentário é o nosso salário

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

ARM: Como Era e Como É, por Ken Shirriff

(Traduzindo e reorganizando a sequência postada no Twitter por nosso parça, o Hugh Hefner do silício, comparando o tataravô e o sobrinho recém-nascido do chip desse espertofone em que você está lendo isto)

 *       *       *

Com o recente anúncio do processador M1 da Apple (N. do T.: link adicionado por nós) da família ARM, achei que seria interessante compará-lo com o primeiro processador ARM, criado pela Acorn Computers em 1985 para o BBC Micro. Os projetistas foram Sophie Wilson and Steve Furber.
Continue lendo ARM: Como Era e Como É, por Ken Shirriff

Crônica de uma morte anunciada: o Coprocessador Numérico x87

Assim como quem não quer nada, resolvi começar a ler sobre programação Assembly para processadores Intel do seu PC velho… mas a versão muderna, cheia de zilhões de instruções, registradores a dar com pau, mil maneiras de fazer operações paralelas e o escambau. Por que alguém faria algo tão insano? Ora raios…

Pois bem, ao longo dos mais de 40 anos que a arquitetura sobreviveu, níveis e mais níveis de funcionalidade foram sendo adicionados uns por cima dos outros, mantendo sempre todas as estruturas anteriores presentes:

16 bits modo real16 bits modo protegido32 bitsMMX64 bitsSSEAVX … e contando.

Correndo por fora, existiu, lá nos primórdios, um bicho chamado 8087 – o Coprocessador Matemático. Se seu PC tivesse esse chip, ele adicionava instruções para fazer operações matemáticas com números reais, não apenas inteiros, e também operações como seno, cosseno, logaritmos… a partir do 486, ele passou a ser incorporado ao processador principal, mas todas as velhas instruções como FMUL, FDIV, FCOS etc estavam lá, e usá-las sempre foi a melhor maneira de fazer contas. A alternativa era usar bibliotecas de ponto flutuante, lentas e nem sempre dentro do padrão (é o que os nossos retromicros clássicos usam).

Mas aí que tá… os novos conjuntos de instruções SSEn e AVX, planejados para realizar várias operações ao mesmo tempo num conjunto grande de números, também fazem operações de ponto flutuante. Aí, no capítulo sobre otimização deste livro, leio o seguinte:

Os seguintes critérios devem ser observados ao escrever código em Assembly que realize aritmética de ponto flutuante:
* (…)
* Em código novo, use as funções escalares das arquiteturas SSE ou AVX, em vez da FPU x87.

Pois é, a utilidade do velho chip, amigão dos estudantes de engenharia (e de tantas outras áreas) nos anos 80, chegou ao fim. Mais um dinossauro se dirigindo lentamente ao poço de piche. É provável que daqui a alguns anos, os quatro primeiros itens da cadeia de setas acima sejam abandonados e os novos processadores sejam puramente 64 bits.

A gente tenta, mas a 5ª Série é mais forte.

Então. Fui adquirir mais um item (baratinho e sem frete, urrú!) para minha retrobiblioteca e…

Depois do Shota Nakama, agora isso? Desisto. Resigno-me ao fato de que minha idade mental jamais ultrapassará 11 anos. Eu tentei. Eu juro que tentei.

Quinta do Pitaco: A Perversa Ilusão do Dinheiro Fácil

Achou que era só eBay e Mercado Livre e SMJ que tinha vendedor que fumou crack estragado?


Amazon também tem. Sim, isso é em trumps. Mais de três mil e quinhentos Brasilianischesreichsmarks pelo raio de um livro sobre microprocessadores!

Consigo até imaginar o processo de pensamento que ocorreu nessa pobre alma: mal de dinheiro, desempregado nos EUA de Trump, sem acesso a tratamento de saúde… aí alguém olha para um objeto na casa (alugada, prestes a ser despejado) da pessoa e diz: CARA DUDE, isso é uma RARIDADE!!111ONZE1!!

Aí a pessoa se agarra a qualquer palha boiando como se fosse um bote salva-vidas. Posso ter adivinhado errado? Sim, claro. Mas se (se) não ocorreu neste caso em particular, ocorre em muitos outros. Convençam-me do contrário.

Repórter Retro Nº 012

O Seu Repórter Retro

Bem-vindos a mais uma edição do Repórter Retro – a primeira da temporada 2016! 🙂

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 012
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 66 minutos
  • Músicas de fundo: Músicas sortidas
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

No qual Ken Shirriff lembra ao mundo do TMX1795

“Bom, faz tempo que vocês não falam de Ken Shirriff”, pergunta-se o leitor, “O que ele está fazendo?”

Simples: escrevendo sobre o TMX 1795 da Texas Instruments, um esquecido pedaço da história dos microprocessadores.

TMX 1795, em uma foto do Computer History Museum
TMX 1795, em uma foto do Computer History Museum

O TMX 1795 foi o primeiro microprocessador como nós conhecemos, lançado alguns meses antes do Intel 8008. Ambos disputaram o projeto do famoso Datapoint 2200, e ambos perderam a corrida para chips feitos de TTL; a Intel resolveu vender o 8008, enquanto a TI simplesmente abandonou o seu chip.

Não satisfeito, Ken entra em questões legais (sim, a TI patenteou o TMX 1795 e começou a achar uma excelente ideia fazer um tanto de patent trolling) e quase filosóficas sobre a definição de “primeiro” e de “microprocessador”.

[OFF PERO NO MUCHO] Freescale e NXP se fundem

NXP_FreescaleA notícia, por si só, é do interesse provavelmente da maior parte da comunidade retro, já que muita coisa divertida se faz interligando SBCs modernos (como os que a Freescale fabrica, concorrentes do Raspberry Pi) e as nossas retrocoisas. Mas mesmo assim seria offtopic.

Não é, porque a Freescale é a detentora dos clássicos processadores 68xxx de 8 bits, 16 bits e 32 bits que eram da Motorola. Ou seja, vocês que estavam confortáveis com “ah, não é mais Motorola, é Freescale” agora tem que alocar mais um nome na lista encadeada pra se lembrarem do que é o que. Sim, o nome Freescale é o que vai morrer e NXP é o que vai continuar vivo.

Tá chegando no nível de nome de equipe de Fórmula 1 e de partido político, esse troço.

The_Artist_Formerly_Known_As_Prince(Blog do Sergio Prado)

Oh, bendito o que semeia!

programming_the_65816Livros, livros à mão cheia!

(Cavucado por Rui Vieira e postado na MSXBR-L)