Arquivo da tag: Nova Zelândia

Episódio 62 – Austrália – Parte B

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

We’re going Down Under e, em vez de rugby union, rugby league ou futebol de regras australianas, falaremos da cena retrocomputacional por lá.

(De bônus, a Nova Zelândia, onde não falaremos de Senhor dos Anéis)

Nesta parte do episódio

Softhouses australianas (sim, elas existiram!).

Microbee Technologies, uma empresa de computadores genuinamente aussie.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 61
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 38 minutos
  • Músicas de fundo: Chiptunes de músicas de cantores e bandas australianas
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Episódio 62 – Austrália – Parte A

retrocomputaria_vitrine_570x190

Sobre o episódio

We’re going Down Under e, em vez de rugby union, rugby league ou futebol de regras australianas, falaremos da cena retrocomputacional por lá.

(De bônus, a Nova Zelândia, onde não falaremos de Senhor dos Anéis)

Nesta parte do episódio

Os computadores “estrangeiros” de origem ocidental, vendidos por representantes locais (Awa/Amstrad, Telecom Australia, atual Telstra/One Per Desk, Barson/Acorn), mais ou menos diretamente (Apple, Commodore, Atari, Texas), e diretamente (Tandy Radio Shack).

Os computadores “estrangeiros” de origem oriental, desde coisas aleatórias de NEC, Hitachi e outros, até MSX… e os computadores da Sega.

Os computadores da Dick Smith, rede australiana de lojas de eletrônicos, e seus rebrands de VTech e EACA.

Ficha técnica:

  • Número do episódio: 62
  • Participantes: Ricardo, João, Cesar, Giovanni e Juan
  • Duração aproximada: 37 minutos
  • Músicas de fundo: Chiptunes de músicas de cantores e bandas australianas
  • Download em ZIP

URLs do podcast:

Não se esqueça de deixar seu comentário aí embaixo; afinal, seu comentário é o nosso salário. No entanto, caso você prefira, entre diretamente em contato conosco.

Chegou um trequinho da Nova Zelândia lá em casa

Jaca Paladium…e pensei que talvez vocês achassem interessante. Trata-se do SC-3000 Survivors Multicart, produzido por um distinto membro desta comunidade, de nome Nick Hook.

O SC-3000 nada mais é que o console SG-1000 da Sega, acrescido de teclado e porta de cassete. Nem BASIC em ROM o bicho tem, precisa de um cartucho de BASIC pra poder programar (#Atari800Feelings). O hardware dele é extremamente parecido com o do MSX — tão parecido que dá pra fazer isto aqui.
Continue lendo Chegou um trequinho da Nova Zelândia lá em casa

O Grande Projeto de Restauração de Fitas de SC-3000

Começa assim:

  1. Eu consigo comprar um Sega SC-3000 bem mais barato do que eu teria direito na conjuntura atual;
  2. Compro alguns cartuchos (mais sobre isso num futuro momento) e me divirto;
  3. Acho uma comunidade online, onde fico sabendo de um neozelandês gente boa Continue lendo O Grande Projeto de Restauração de Fitas de SC-3000

Tezza e o Desafio do Ohio Scientific

Tezza Dando o Sangue pela CausaLembra do Challenger 4P do Tezza? Pois bem, nosso retrokiwi* resolveu mergulhar de cabeça nesse ornitorrinco (ops, país angloparlante da Oceania errado) para enfrentar os vários defeitos que ele tinha ao custo de sangue (não metaforicamente, como você pode ver aí ao lado), suor e lágrimas. As duas últimas, suponho, metafóricas. Clique na imagem para ler a saga completa. Não vou dar spoilers.
Continue lendo Tezza e o Desafio do Ohio Scientific

Matando uma curiosidade de quase 25 anos!

Então, você lembra daquele jogo totalmente em assembly que saiu em um monte de fascículos da revista INPUT? Lembra das listagens intermináveis de código para TK-90X/TK-95, CP-400* e MSX? Aqui estão alguns segundos da versão para MSX de AVALANCHE em toda a sua glória!

Sério, eu juro que tentei passar da segunda fase!

(*) Na verdade o foco da revista eram os Dragon 32 e 64 conforme podemos observar no quadrinho explicativo que acompanhava cada edição (ei, cadê o MSX, Apple e o TK-2000?):

INPUT UK