Arquivo mensais:setembro 2012

Link do dia: Uma varinha mágica… E um BBC Micro.

Você já deve ter visto aqueles brinquedos de PoV (Persistência de Visão), para escrever no ar? Não? Então antes de tudo leia esse verbete na Wikipédia. Pronto. Conhece os brinquedos? Então… Tem alguns exemplos nesse site aqui.

E o que isso tem a ver com retrocomputação? Bem, um inglês, sem ter muito o que fazer, resolveu fazer uma “varinha mágica”, que “escreve no ar”. Usou um RaspberryPi (ora, que novidade), e se baseou num projeto semelhante, que usava um BBC Micro para fazê-lo. No projeto, ele explica tudo, como fez, e como tudo funciona. Bacana, né?

Cortesia do ouvinte Melo Jr. Obrigado!

 

Leilão do dia: protótipo do Commodore C64DX, ops, C65

O Retro Canada achou este leilão aqui e avisou nas listas de retrocomputação. Afinal, qual amante de Commodore (ou de retrocomputação em geral) não gostaria de ter um protótipo de um C64DX (ou C65, como queiram)?

Não tem fonte, faltam diversos componentes, o vendedor não sabe se os componentes da placa estão funcionando, custa 710 dólares e o vendedor só entrega nos EUA.

E, olha, o bicho é bonito. Uma pena, realmente, que não saiu.

Um Atari 2600 “tunado”.

Vocês sabem que nós não falamos de videogames por aqui, não é nosso foco. Mas como é o Engadget que está falando, não deu para deixar passar. A Hard Drives Northwest fez uma série limitada (logo, cara) de PCs (sim, microcomputadores padrão IBM-PC) instalados em um gabinete de Atari VCS 2600.

O hardware que habita esse receptáculo consegue um desempenho de apenas 22.657 vezes o que era possível com o Atari 2600 original. De quebra, o autógrafo de Nolan Bushnell, um dos fundadores da Atari. Quer saber o que tem dentro? Vá lá no Engadget e leia o que eles escreveram.

PS: Se quiserem ler sobre videogames clássicos, recomendamos a visita ao Retroplayer, o Gagá Games e o podcast 99 Vidas. Valem a visita.

Retrohitz #66 – Compile: Best of Discstation

retrohitz066

No episódio de hoje, um CD que já usamos como trilha sonora, no episódio 4: O Best of Discstation, da Compile. A Discstation era uma revista em disquete lançada pela produtora Compile (autora de clássicos como Aleste e Zanac) para MSX2, e foram no total 33 edições regulares, 3 edições de luxo e 5 edições especiais. Além de, é claro, esse CD de músicas. São vários remixes de músicas de jogos da Compile, com destaque para a Aleste Gaiden em versão rock, e Super Cooks em ritmo de música latina.

Duração: 61 min
Lista de músicas:

  1. Compile Fanfare
  2. Disc Station Title
  3. Disc Station Menu
  4. Waltz
  5. Dancing in the Christmas
  6. Aleste Title Euro style
  7. Aleste Gaiden Rock style
  8. Super Cooks Latino housed
  9. Blaster Burn Orchestraled
  10. Blaster Burn Poped
  11. Rander Burn Cult
  12. Hip House Compile 91 Virtual
  13. Hip House Compile 91 Instrum
  14. Another Hip House Compile 91
  15. Blaster Burn The MIX
  16. Disc Station Title Reprise E

Siga-nos no Twitter: @retrocomputaria. Envie-nos um email também, caso você prefira. Ou então comente aí embaixo. Nós iremos ler, acreditem!

Protótipo: MSX ARM (“kit de transformação” de MSX2+ em TR)

Volta e meia reportamos aqui sobre projetos envolvendo FPGAs, Arduinos ou outros chips mais poderosos, que permitem aos micros clássicos ganharem “superpoderes” – na verdade, gostamos destes projetos. E quando um projeto desses envolve MSX, a alegria de alguns membros deste Retrocomputaria aumenta ainda mais 😀

Então é previsível a animação do MSX.org com o projeto MSX ARM – um projeto tocado por Rogério Machado com ajuda do PopolonY2K cuja ideia é ter um cartucho com um ARM Cortex-M4 rodando um emulador de Z80/R800 em Assembler, permitindo não apenas aos MSX terem o poder do R800 à sua disposição (ou “transformar” um MSX2+ num Turbo-R, tendo em vista a semelhança das arquiteturas) mas também adicionar diversos poderes ao “mais mágico dos micros”, desde interface SD/MMC até RJ45.

E o melhor: já existem protótipos rolando.

O primeiro computador pessoal… É de 1965?!

Olha só que descoberta surpreendente: Uma pequena equipe da empresa italiana Olivetti fez aquilo que mexeria com nossas cabeças desde que nos conhecemos por gente: Eles criaram um computador pequeno o bastante para que coubesse em uma mesa, e poderia ser usado por pessoas comuns. Este computador é o Programma 101, e foi lançado em… 1965! Isso é 10 anos pelo menos anterior ao Altair 8800, e pode ser considerado como o primeiro computador pessoal da história.

E o Royal Pingdom fez uma matéria extensa e detalhada a respeito dessa criação da Olivetti, pouco conhecida e menos ainda divulgada. Alguns dados para aguçar a curiosidade de vocês:

  • Peso: 35,5 kg
  • Consumo de energia: 350 W
  • Tela: Nenhuma.
  • Memória: Aproximadamente 240 bytes.
  • Armazenamento: Cartões magnéticos.

O resto você lê na matéria do Royal Pingdom, clicando aqui. Grato ao amigo Raimundo Nonato Pimenta Filho pela dica!