Arquivo da tag: GitHub

NFC para quem é de NFC.

Se você paga contas com seu cartão de crédito ou débito, e já ouviu a pergunta: “Tem aproximação?“, significa que você está usando a tecnologia Near Field Communication e nem sabe. Bem, eu não vou explicar o NFC aqui, recomendo que você vá lá na Wikipédia para entender como funciona.

Mas como isso aqui não é um site sobre tecnologias (frescas) atuais, vamos à retrocomputação. Ficou curioso sobre esse aparelho aí em cima? Então continue aqui que a gente vai falar um pouco mais a respeito dele…

Continue lendo NFC para quem é de NFC.

Código-fonte do dia: MS-DOS 4.0

Há muito tempo atrás, a Microsoft liberou o código-fonte dos MS-DOS 1.1 e 2.0; e muitos historiadores e entusiastas do mundo Intel 8088 e Intel 8086 ficaram felizes porque podiam estudar como o sistema operacional que mudou o mundo foi feito.

No entanto, Connor “Starfrost” Hyde não estava satisfeito com isso. Estudando sobre o Multitasking DOS (MT-DOS) e sua relação com o MS-DOS 4 e o OS/2, bateu na caixa de email de Ray Ozzie perguntando se tinha alguma coisa interessante com ele.

Ray Ozzie, claro, tinha. Uns builds bem iniciais do MT-DOS, com direito ao código-fonte do ibmbio.com.

Daí se iniciou uma correria envolvendo um monte de gente, na Microsoft e na IBM… e, bom, o resultado foi contado pelo blog Open Source da Microsoft.

O código-fonte do MS-DOS 4.0 (junto com o do MS-DOS 1.25 e do MS-DOS 2.00) está aqui, com alguns traços de MT-DOS aqui e ali.

E aos interessados, o Starfrost escreveu a primeira parte da saga do MS-DOS 4.

Beta DOS Disks

Alguém puxa o musical Hair de novo aí, vai…


O Aquarius+ Retro Computer é uma reimaginação do Mattel Aquarius, computador feito pela mesma empresa que criou o videogame Mattel Intellivision e que durou menos de um ano no mercado (foi abandonado em 1984). No github do usuário fvdhoef, tudo o que você precisa para montar um Aquarius+ está disponível. Seguem algumas características:

  • Compatibilidade com o hardware e o software do Aquarius original.
  • Saída de vídeo em VGA, com suporte a gráficos em bitmap, sprites e tiles.
  • Dois chips de som da família do AY – seis canais.
  • 512 Kb de memória RAM paginada, em bancos de 16 Kb.
  • SYSROM refeita e CHARROM reprogramada.
  • Suporte a cartão SD, wi-fi e Bluetooth (para joypads modernos).

Descobrimos essa novidade movida a FPGA a partir do Instagram do Jan Beta, que está com um desses para teste. O Instagram dele está aqui, e o vídeo do YouTube, aqui.

Em tempo, o musical Hair está disponível para aluguel na Amazon, a R$ 19,90, e para comprar a R$ 39,90. De nada.

Compilando o MS-DOS 2.11.

Há algum tempo, a Microsoft entregou ao Computer History Museum o código-fonte dos sistemas operacionais MS-DOS 1.x e 2.x. Isto foi amplamente divulgado, tanto que nós mesmos mencionamos este fato.

Posteriormente, ela liberou os mesmos códigos-fonte no github dela (o que é uma redundância, visto que ela comprou o github) os códigos-fonte do MS-DOS 1.25 e 2.0.

Só que o neozeed resolveu fazer uma cópia do projeto, criar Makefiles e reorganizar tudo para que o MS-DOS 2.11 pudesse ser compilado em ferramentas mais recentes, como no Windows. E ele colocou no seu próprio github.

Você vai precisar do Microsoft MACRO Assembler e um pouco de paciência. Mas, se você é impaciente, pode baixar esse pacote aqui, que já contém uma imagem de disquete de 360 Kb (no tempo em que homens eram homens e bla bla bla) e uma imagem para máquinas virtuais padrão VMWare (vmdk) com 32 Mb.

Se você quiser saber um pouco mais da aventura, clique aqui e se delicie com a leitura.

Acessando o Instagram num MSX1. Pode isso, Arnaldo?

Poder pode, Galvão, mas a regra é clara: por enquanto, precisa ter uma GR8NET.

O bruxo em questão é Thomas Glufke, e se você é usuário da GR8NET, pode pegar e testar o código aqui.

A bem da verdade, o trabalho pesado é feito por um servidor proxy hospedado pelo Sr. Glufke, já que seria pedir demais do coitado de um MSX1 fazer criptografia e renderizar imagens de vários MBs e blocos de JSON idem. Esperamos mais novidades do autor — anteontem ele alterou o programa para usar as resoluções e cores melhores do MSX2 (ver foto no final do artigo) se ele for detectado. Na postagem da MSX.org um usuário se prontificou a portar o acesso a rede para UNAPI, para poder usar outro hardware de rede que não a GR8NET. Aguardemos.

Vídeo da bruxaria acontecendo. Olha quem aparece de relance quando ele acessa a tag #msxdev (na marca de 2m8s)…

 

O MSX2 Technical Handbook formatado em Markdown

O incansável Nestor “Konamiman” Soriano digitalizou o MSX2 Technical Handbook; isso não é novidade, porque foi há 22 anos atrás.

O que é novidade é o trabalho de conversão desta documentação toda para Markdown e subir tudo isso pro Github; não apenas facilita a formatação para leitura mas também facilita correções, que podem ser feitas por pull requests no repositório.

(via)