“Pixels”, a resenha.

pixelsSe você está lendo esse texto aqui, saiba de cara que Pixels vale ser visto por 2 motivos: Michelle Monaghan e as toneladas de referências a jogos, muito mais do que foi visto em Detona Ralph. Mas se você tem repulsa a Adam Sandler (justificável, aliás) ou deseja ver uma história minimamente plausível, então desista.

Animado para ler um pouco mais sobre o filme? Clique aí embaixo, mas já vou avisando, tem spoilers para encher baldes.

A premissa do filme é, no mínimo, patética: Dois garotos fãs de arcade (como nós todos), em 1982, participam do campeonato mundial de arcades (curioso que só tem estadunidense disputando, mas tudo bem), e um deles (Sam Brenner, que no futuro será Adam Sandler) fica em 2o lugar. Lá eles fazem amizade com outro desses garotos, no caso, um protótipo de nerd-bitolado-virgem-amante-de-teoria-da-conspiração (Ludlow). O vitorioso é o autoproclamado Fireblaster, cujo papel é de Peter Dinklage, que vocês vêem em Game of Thrones (eu não, só vocês, eu não vejo GoT) e em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido. A propósito, ele é tão boçal em GoT quanto é nos dois filmes anteriormente citados?

qbertpixelsOs vídeos do torneio foram colocados numa sonda espacial enviada para o espaço pela NASA. Os alienígenas que acham a sonda acham que aquilo é a demonstração de força do povo da Terra e, com medo de serem invadidos, decidem invadir antes. Imitando as mesmas formas vistas no vídeo. Logo, 33 anos depois, temos a invasão. E essa é a desculpa para vermos uma nuvem de insetos (sim, é Galaga) destruindo uma base militar estadunidense na ilha de Guam (tem que sempre ser uma base deles num canto remoto do planeta).

Dos jovens jogadores de arcade que vimos nos anos 1980, hoje um é prestador de serviços de uma empresa chamada Brigada Nerd (Adam Sandler). Ludlow seguiu o seu destino e tornou-se o nerd recluso, virgem e amante de teorias da conspiração (Josh Gad). O último, Cooper… É o presidente dos EUA (Kevin James, ou como vocês sabem, aquele gordinho amigo do Adam Sandler que sempre aparece nos filmes dele). E sim, é um presidente a lá George W. Bush e o ex-vice Dan Quayle: Vergonha alheia total.

Daí, a invasão começa, e vence quem conseguir ganhar as disputas numa melhor de três. Aí temos Galaga (em Guam), Arkanoid (na Índia), Centipede (em Londres), Pac-Man (em Nova York) e uma enxurrada de personagens na Grande Maçã, com o final do filme tendo uma grande fase de Donkey Kong, em tamanho real. A Michelle Monagham (eu já disse que ela é linda?) é a cientista da DARPA, tenente-coronel e acaba virando interesse romântico do personagem principal (beijo, só no final). Ah, ela (Violet) e o Brenner se conhecem antes, mas isso vocês veem no filme e eu não vou explicar.

donkeykongpixelsVamos ao que interessa, as referências de jogos. O que eu vi de jogos clássicos por lá:

  • Galaga (ataque em Guam).
  • Arkanoid (ataque na Índia).
  • Centipede (ataque no Hyde Park, Londres).
  • Pac-Man (com direito à aparição do “pai” do Pac-Man, Toru Iwatani – é um ator, não é o criador).
  • Donkey Kong (no final do filme, o final boss).
  • Q-Bert (que vira mascote da equipe!).
  • Duck Hunt (sim, o jogo de NES que tem versão para MSX, graças a um MSXDev).
  • Pengo (só descobri quando li os créditos).
  • Paperboy (passa correndo em uma cena).
  • Defender (eles jogam no arcade, no início do filme).
  • Asteroids (usam como treinamento com os SEALs).
  • Space Invaders (no final estão lá).
  • Joust (no final, essa eu não vi).
  • Tetris (no final, encolhendo os prédios, adorei!).
  • Frogger (no final).
  • Mario (no final).
  • Dig Dug (no final, também não vi).
  • Burger Time (mais uma que não vi).
  • Smurf (um só, que é morto pela Tenente-Coronel Violet – já disse que a Michelle Monagham é linda?).
  • The Last of Us (essa eu não peguei, mas o filho da Violet está jogando esse aí).

De referências não-gamísticas, podemos destacar os Ghostbusters (as roupas que eles vestem, é um macacão ao estilo dos Caça-Fantasmas) e Max Headroom (no céu, quando eles são abduzidos à nave).

pacmanpixelsO 3D é sutil e bem-feito, é possível vê-lo legendado sem ter maiores problemas. O filme é divertido se você viveu a época, e ligar todos os modos de suspensão de descrença que você porventura venha a ter. E é claro, não é bom esquecer, tem a Michelle Monagham.

O IMDb deu 5,3 para o filme, que é uma nota até alta. O Rotten Tomatoes foi mais direto, e presenteou com 3,8. No Metacritic, 27 de 100. O filme é ruim mesmo, como disse, vale pelas referências abundantes no jogo, à cultura dos anos 1980, que tanto é exaltada.

Se você quiser ler uma resenha sobre o filme como um todo, recomendo essa aqui, do Kotaku. Ou então leia a ficha do filme na WIkipédia. Finalmente… Vale a pena ver no cinema? Bem, se você é retrogamer como nós, não tem asco ao Adam Sandler (como eu, minha esposa até gosta dele) e tiver uma promoção BOA… Vá lá e divirta-se. Mas o filme não vai deixar lembranças.

0 pensou em ““Pixels”, a resenha.

    1. Eu tb achei o filme divertido. Mas se vc parar e pensar um pouco, vai ver que boa parte (senão tudo) do q eu falei, eu tive razão. O q é triste!

    1. Nem tanto, eu acho ela linda mesmo.

      Mas a Cláudia adora “Como Se Fosse A Primeira Vez”, a mensagem romântica é arrebatadora… P/ ela.

  1. O filme “De Volta para o Futuro 2” acertou em cheio quando previu que neste SNK do Senhor de 2015 haveria grande nostalgia dos anos 80. Só errou nas referências porque hoje ninguém lembra nem liga mais para Reagan ou Khomeini…

    1. E erraram no cinema também! Temos continuações de Exterminador do Futuro, Star Wars, Mad Max… mas pra Tubarão ninguém dá a mínima.

  2. Se eu assisti dois ou três filmes com Adam Sandler é muito, mas porque tanto asco assim? Pergunto por curiosidade mesmo, pois eu não tenho nada contra ou a favor dele.

    Pela resenha o filme é um shit (o que eu suspeitava), não vou assistir só por causa das referências aos ano 1980.

    A propósito, assisti “Tron: a Legenda” e me arrependi. Acho que hoje em dia eu não tenho mais paciência com os remakes e sequências dos filmes dessa época.